CAMILO DE LELIS MENDONCA MOTA - CRT 42617
Terapeuta Holístico

A unidade como caminho para a transformação pessoal

Postado por CAMILO DE LELIS MENDONCA MOTA (42617) em 01/06/2007 às 14:49
Artigos e Textos >>

A unidade como caminho para a transformação pessoal

Camilo Mota*

A sociedade em que hoje vivemos cresce para fora de nós e leva-nos junto com ela para vivenciarmos uma perspectiva em que tudo o que ocorre a nossa volta depende exclusivamente de nossas vitórias e conquistas no mundo material. Com isso, o sonho de felicidade de muitos é “ter”. O “não ter” se torna um fantasma que nos leva a um mundo de exclusão. A suposta felicidade encontra-se em termos um bom emprego, em ganharmos um bom salário, em comprarmos algo da moda, em querermos ser o que não somos. A angústia gerada por tal círculo de obrigações sociais causa inúmeras dores em nossas vidas. Enquanto permanecemos olhando para fora e vendo o movimento aparente das coisas, isolamo-nos do caminho da verdadeira felicidade, da nossa satisfação íntima, da nossa perspectiva verdadeiramente humana. Daí, o enorme número de pessoas que vivem refletindo apenas o seu próprio ego, que deixam morrer em si o importante sentimento de compaixão pelo outro... São filhos que não têm mais respeito pelos pais; e pais que ignoram os sentimentos de seus filhos. São pessoas que procuram em drogas o remédio que as aliviem de si mesmas, pois não conseguem mais se enxergar tamanha a quantidade de bloqueios e de fantasias que se formam em suas mentes.

Olhar o mundo com outros olhos se faz necessário. E olharmos/vivenciarmos nosso verdadeiro ser é condição para adquirirmos a consciência maior de nossa missão nesta vida. Conhecermos a nós mesmos é o primeiro passo para vivenciarmos em plenitude e respeitarmos o mundo em que existimos, crescendo de dentro para fora, e não ao contrário. E isto não é tarefa para nenhum místico, nem monge, nem guru. É uma meta que deve ser buscada pelo cidadão comum. A chave da felicidade e da saúde está em nossas mãos. A questão é optarmos ou não por abrirmos essa porta que nos isola de nós mesmos, de nossa verdadeira essência. Ninguém pode fazer essa opção por nós.

Se seguimos uma religião, devemos segui-la por amor, e não por obrigação ou medo. Seguir algo por amor torna-nos unificados conosco mesmos e com o mundo. Não deve haver separação. Ir a um templo apenas como “busca de salvação”, para expiar culpas ou para fingirmos para nós mesmos que somos pessoas religiosas é apenas mais uma maneira de vivenciarmos a vida de fora para dentro. O templo (seja de que denominação religiosa for) é um convite à unidade, à vivência interior, à meditação e reflexão sobre quem verdadeiramente somos, e quem devemos ser em nosso dia a dia.

O mesmo ocorre nas relações afetivas. Se mantivermos uma postura separatista, a relação se enfraquece. Homem e mulher devem formar uma unidade, um todo harmonioso, em que os direitos e deveres de ambos sejam marcados pelo acordo mútuo. E isso se consegue, quando vencemos a barreira de nosso egoísmo e passamos a viver em estado de compaixão, de complementação, de compreensão recíproca. É preciso não ter medo de ser verdadeiro, nem de reconhecer as próprias falhas. É no observar nossos erros, que crescemos de dentro para fora e podemos ajudar outros a fazê-lo. A vida não deve ser uma sucessão de atos de submissão nem de atos de opressão. Não é à toa que Jesus ensinava a sermos mansos. Ser manso é agir com sabedoria e consciência de que tudo à nossa volta está em movimento, e que podemos aproveitar esse movimento para vivenciarmos nossa existência de maneira harmoniosa, com saúde e felicidade.

*Camilo Mota é Mestre de Reiki (Sistema Usui Tradicional/Tibetano) e Seichim-Skhm Reiki, praticante de Karuna Reiki™ níveis 1 e 2. Terapia e cursos de Reiki em Saquarema podem ser agendados através dos telefones (22) 2653-3597 e (22) 9201-3349.

Voltar